Páginas

14 de jun de 2014

Webserie: Lauren

Descobri essa webserie ontem, meio sem querer. Fui ver um trailer que do canal e logo em baixo tinha o vídeo.
Confesso que não dei muita coisa, ainda pensei: "10 min em um vídeo? Acho que não vou assistir tudo...". Ainda assim apertei o play e comecei a minha revolta pessoal. E nessa assistir os 3 episódios da primeira temporada e logo em seguida os 12 episódios da segunda temporada.

O que eu posso afirmar é que a Troian Bellisario (que faz Pretty Little Liars) me surpreendeu com a sua capacidade de atuação. Eu não achava que ela tinha isso nela.

Até onde eu sei, o vídeo não tem legenda em português.




Agora você já assistiu e eu posso comentar sem medo de spoilers. 

Essa série está muito bem produzida. Fala de um problema muito sério que é o abuso sexual, ainda mais dentro de instituições militares. Mas situações assim acontecem em qualquer ambiente muito masculinizado.
O episódio que mostra o dia do estupro, pra mim, é o pior. Dá vontade de berrar pra ela não fazer, não ir. Mas ela não estava fazendo nada demais, pelo contrário. Estava em um estado frágil, se sentindo indisposta e simplesmente andando até o banheiro (também conhecido como latrina em um acampamento militar). As cenas são fortes e desesperadoras.
A incapacidade da instituição de protegê-la me faz não acreditar, me revolta.
Toda a vez que ela falava em bom tom: "Eu fui estuprada" (I was raped) meus olhos se enchiam de lágrimas. Por que ninguém a volta dela admitia a realidade da situação? Por que não acreditaram nela? Pessoas que sofreram o que ela sofreu e simplesmente responde que, se você quer continuar com a carreira militar, você deve se submeter.
A questão do poder, o terceiro homem que tem um general o protegendo. Condená-lo é impossível. E ele faz porque sabe que estupro, por muitas pessoas, não é considerado crime. Ainda mais no meio de um guerra. Quem vai acreditar na mulher? Mesmo com todas as provas. O estado não pode se dar ao luxo de perder um homem pronto para combate...
Para piorar, mostrar como não irá acontecer nenhuma repercussão, os monstros ainda filmam o ato. É um momento de glória, de prazer. Foda-se a mulher sendo humilhada. Foda-se que ela nunca mais será a mesma. Foda-se as consequências.
É necessário que esse vídeo, mostrando o estupro, se torne de conhecimento público para que algo seja feita. Ela precisa sofrer a humilhação do mundo saber o que ela sofreu para ter justiça. Não saber, ver!

Estupro é coisa séria.
Quando a mulher fala NÃO, cabe ao homem entender e sair de perto.
Nada justifica.
Usar qualquer outra palavra no lugar de estupro é diminuir o ato, diminuir a brutalidade da situação.

28 de jan de 2014

Aleatório: A Questão das Séries Infinitas

No mundo literário, todo mundo reclama quando uma série possui mil livros. Os leitores querem começo, meio e fim.
Mas quando essas mesmas pessoas são espectadores de uma série de televisão, ninguém quer o final. Querem mais um temporada, mais uma história, ver os protagonistas em novas aventuras e os vilões se superando na maldade, gerando amor e ódio.

Contudo, se você parar mesmo para pensar, qual é mesmo a diferença entre uma série de livros e de TV?

O de TV sai uma vez por semana, o que faz a espera ser menor. O livro sai apenas uma vez a cada 6 meses, isso quando não sai apenas 1 por ano ou demora mais que isso. Mas não vamos esquecer que entre uma temporada e outra tem um hiato de 6 meses, algumas séries até mais que isso. Além disso, na TV, você só tem 40 minutos (ou 20 se for Sitcom) de novidade a cada vez. E dura apenas esse tempo de inédito. O inédito do livro pode durar o tempo que você quiser, o quanto você conseguir se segurar e não ler desesperadamente para saber o final.

A TV e o livro tem em comum o fato que, se não der audiência, será cancelado. Fazer o que? Séries de TV também ficam sem final. E o livro tem a vantagem que o autor pode postar o final em um site/blog ou qualquer coisa para os seus, neste caso poucos, fãs.

Série de livro não depende de ator pra fazer sucesso, na TV, depende. Quantas vezes um personagem não estende sua participação na série pura e simplesmente devido ao carisma do ator? (cof cof Klaus cof cof) No livro o autor pode matar mesmo, sem dó. Vai ouvir as críticas depois, mas ai já tá publicado mesmo.

A autor não precisa ouvir o público a cada 40 minutos. O roteirista sim. Talvez pela resposta mais rápida do público, na TV é mais fácil se fazer ouvir. No entanto isso está mudando. Aliais, existe fanfic pra isso - vamos salvar o personagem!

A série te dá tempo para pensar, criar histórias, desenvolver o personagem. Quando o livro é um "stand alone" - ou seja, não é série - fica tudo meio reduzido, há um limite para desenvolver os personagens, a trama e tudo mais. Claro que sempre há o mais do mesmo. SEMPRE. Tanto na TV, quantos nos livros. Inovar é difícil nesse mundo.

As pessoas reclamam que série não tem fim. Ai eu pergunto: Para que você quer o final DAQUELA história? Ter seu personagem preferido preso naquela história conhecida, que sim, pode ser relida e reinterpretada, mas ainda assim é conhecida.

Parem de falar mal das séries de livros, façam como os viciados em séries de TV, e torçam sempre para mais uma temporada, para mais um livro DAQUELA série, com AQUELE personagem.