Páginas

30 de jan de 2013

Série: Underemployed

A série mais legal que eu acompanhei nessa "fall season". Se tivesse que definir um gênero, diria que é "jovem adulto", uma definição que surgiu como gênero literário e daqui a pouco chega as series. Essa, já tem esse formato.
A história fala sobre um grupo de amigos, 5, que se conheceram na faculdade. No primeiro episódio eles se formam e se separam para "dominar o mundo", cada um em sua área. Eles tem ideias e objetivos diferentes e querem viver o mundo da melhor maneira. Mas como hoje em dia nada está muito fácil, os planos acabam saindo um pouco diferente, e o resto da série se passa um ano depois da formatura, com eles ainda correndo atrás dos seus sonhos, mesmo depois de tantos atrasos.
Dos 5 amigos, temos a Sophia, melhor aluna da classe, queria ser escritora, e acabou presa vendendo Donut com um uniforme horroroso. E por falta de tempo e inspiração, acaba não conseguindo escrever seu livro. Apesar de já estar na fase adulta, ainda está se descobrindo sexualmente e aprendendo sobre esse lado da vida. Antes era apenas estudo, agora é hora de viver.
Outra personagem é a Veev, uma quero ser cantora, que namora o Lou (outro amigo - falo dele daqui a pouco); eles terminam no primeiro episódio porque ela está indo para Los Angeles virar a grande artista, mas volta grávida. (Esse para mim foi o maior furo. Porque o bebê teoricamente é de Lou, mas se eles passaram 1 ano sem se ver... Acho que entendi errado e na real foram 8 meses...). Enfim, ela volta grávida, logo tem a filha, que vira mais uma dos amigos. Mas mesmo grávida, ela ainda tem ideais fortes e não desistiu de se tornar uma cantora de sucesso com suas músicas.
Então temos o Lou, um menino filho de papai (o pai dele é dono de uma empresa Química), mas que nunca gostou do pai e tenta fazer a vida sozinho. É um daqueles "sou verde e o mundo deveria ser verde, vamos só consumir alimentos orgânicos, participar de ONG's e outras coisas do gênero." Mas quando a ex-namorada bate na porta dele grávida, ele decide que tem que ser o homem da casa e prover para elas, e por isso engole o orgulho e pede para o pai um emprego na empresa, mesmo sendo tudo o que ele não quer da vida. E assim, ele passa a temporada tentando se descobrir. Como ser um pai de família, prover para sua mulher e filha sem deixar de lado sua convicção, sem esquecer aquilo que ele acredita.
O outro homem do grupo é Miles, um aspirante a modelo - cujo desejo é ser modelo de cuecas para a Calvin Klein. Com isso, ele é o mais superficial do grupo, e por um momento ele se passa pelo "pegador" da galera que sempre tem que ter em todas as séries desse gênero. Mas para a minha surpresa, no meio da temporada ele acaba se apaixonando, e deixando de lado o status inicial. Ele é o mais superficial dos amigos, mas no final vai a Milão correr atrás do seu sonho. Está ali para mostrar que todos os sonhos e profissões são validas e devemos acreditar em nós.
E por último temos a Daphne, que sonha em ser uma grande publicitária, mas depois de 1 ano de formada ainda mora com o pai e está em um estágio não remunerado, procurando pela sua chace. Ela é a mais ambiciosa dos amigos, mas como Sophia a descreve bem, precisa sempre de um namorado na sua vida, e parece que só consegue seguir adiante com seus sonhos se tiver um homem que a guie. Claro que ela vai percebendo isso ao longo da série, e no final escolhe seu sonho em vez do sonho dos outros para viver.
Os cinco amigos funcionam muito bem e mostram as faces da vida pós-universidade. Mesmo que seja em um estilo americano de ser, e no Brasil a situação seja bem diferente, a história é muito divertida. Confesso que nos 2 últimos episódios colocaram uma cenas meio nada a ver no meio do episódio. Não entendi o que elas estavam fazendo ali. Mas fora isso, foi a série que mais esperei os episódio e mais fiquei feliz de baixar e assistir.

26 de jan de 2013

Livros: Caçadores de Piratas

São 3 livros: o primeiro "Motim"; o segundo "As Armas de Tortuga" e o terceiro "O encontro com Jack Steele". O melhor livro de piratas que já li.
Tudo bem, nunca li muito sobre piratas, então o fato de ser o melhor que já li não significa muita coisa, mas essa trilogia é tão gostosa de ler, fácil, que te transporta para o Séc. XVII no caribe e América Latina. De maneira simples você percebe como era a vida dos piratas e claro, daqueles que caçavam piratas.
É uma literatura infanto-juvenil, logo é tudo bastante romantizado. Mas ainda assim, existe claramente a rivalidade entre Espanha, Reino Unido e os outros países que tentavam ser donos dos territórios ainda inexplorados da América - o continente recém descoberto. Ainda não existia EUA e cuba era apenas mais uma ilha paradisíaca. Democracia ainda não existia, e todos viviam sobre o governo dos Reis absolutistas. Esses 3 livros são um pedaço da história. E para deixar tudo ainda mais realista, as últimas páginas são um relato contando como eram de verdade os piratas, suas embarcações e etc.

Esses livros são a principal causa do meu trauma "livros sem final". Consegui os 2 primeiros ainda quando estava no ensino fundamental, pela minha mãe que era professora e ganhou das editoras. Nunca tinha conseguido o 3º. Sempre quis saber o final. Já tinha procurado no site da editora, e lá nem sabiam da existência desses livros. Já estava até me conformando que nunca saberia o final, até que o Skoob apareceu e por lá consegui o título e um menino que tinha e queria trocá-los. Consegui o livro III e resolvi reler todos, afinal são pequenos e depois de quase 10 anos, não lembrava mesmo da história.

Nosso protagonista é um menino de 10 anos, que ficou órfão e foi enviado para a Jamaica para viver com o Tio Patrick, um médico que não o conhecia, nem sabia da existência do sobrinho até que ele apareceu em sua porta.
Mas tio Patrick não era só um médico, né? Senão qual a graça teria?
Ele gostava de ser o médico das embarcações, e enquanto tratava um velho bucaneiro, os dois tiveram uma ideia de como finalmente levar a justiça o mais temido dos piratas da área, o capitão Jack Steele. E para que a ideia seguisse adiante, foi necessário que o mesmo passasse um tempo no mar, navegando na embarcação responsável por tal missão. Estava tudo certo com a ideia se não fosse o pirralho que apareceu na porta do médico. O que fazer com ele?
Como um bom protagonista, Davy, nosso órfão de 10 anos, não faz nada do que mandam ele fazer, se intromete na conversa dos outros, fica quieto assistindo todas as reuniões do capitão... enfim, faz o que bem entende e nada do que o tio fale ou deixa de falar influencia nas suas decisões.
Mas o menino tem caráter, e como enquanto morava com a mãe teve um padrinho muito bom, aprendeu a ler e escrever e sabia latim (língua que era escrito tudo, principalmente os textos acadêmicos, naquela época), assim o tio acaba o treinando como aprendiz.
Enfim, a história é muito fofa.
Eu queria mais, mesmo depois do 3º livro. Queria acompanhar a vida de Davy até.. sei lá, ele morrer.
Gostaria de ver ele se apaixonar, ter filhos, virar um médico naval, perder o tio, entrar para marinha e... muito mais.

A série é muito gostosa de ler. Para se sincera, não quero trocar os livros. Quero achar uma criança de 10 anos para dá-los de forma que ela conheça a magia da leitura. Esses são ótimos livros para começar a ler.
E que criança não gosta de piratas?

23 de jan de 2013

Série: XIII The Series

Cada vez que conheço a produção audiovisual canadense, mais eu gosto. Essa série é na real um co-produção entre Canadá e França, com o áudio em inglês. As gravações foram realizadas em 3 países: Canadá, França e EUA. E um viva a globalização, já que a série é baseada em uma história em quadrinhos Bélgica, que por sua vez é baseado na famosa trilogia "Bourne" (americana), ou seja, vamos misturar tudo e ver no que dá.
Ficou legal.
A série é uma grande teoria da conspiração. E sinceramente, nunca vi uma série que trabalhasse isso tão bem. Até porque desde o começo temos o presidente dos EUA, diretor da CIA e do serviço secreto americano, um ex-presidente que assassinou sua irmã para poder assumir o poder... Enfim, já no começo da série você já sabe que a conspiração é real. E é bastante interessante observar como as decisões lá em cima de poder influenciam o agente XIII, e como este, sendo o herói da série, tenta não ser influenciado, mas acaba sempre fazendo o que querem dele.
Mas falando um pouco dele, (é um ator muito gato!) que logo no começo da série fala que seu "rosto foi alterado". Não estava entendendo o porque disso, até que foi pesquisar e descobri que essa série é uma continuação de um filme para a TV "XIII the conspiracy" - que explica bem melhor a história da presidente mulher americana, seu assassinato, entrada do irmão no poder, e finalmente saída do mesmo. Mudaram a cara do protagonista, porque mudou o ator principal, mas os presidentes continuam o mesmo e os outros personagens se mantiveram, o que é bem legal. (obs. ainda não vi esse filme para saber se é bom e/ou tem muitos furos na relação, mas só o fato de terem se preocupado em falar mais de uma vez que alteram o rosto dele e tudo mais, me leva a crer que pensaram bastante para evitar qualquer furo muito grande).
Mas falando da história em si, temos um espião que perdeu a memória e está correndo atrás para descobrir o quem é. A única coisa que tem certeza é que no passado realizou uma missão que seria de pegar algum software/arma em uma empresa da costa verde e passar para o contratante. Só que quando ele percebeu o que tinha nas mãos, achou perigoso demais, dividiu algumas partes e pediu que amigos guardassem suas partes.
Mas claro, ele não lembra de nada disso direito. E tem que descobrir quem são os amigos, onde eles estão para recuperar seja lá o que for e destruir de uma vez por todas.
Nessa ele descobre que é casado, líder de uma revolução, tem um pai vivo que morre assim que aparece, enfim... a cada episódio ele descobre um pouco mais.
É bastante consistente a série nesse sentindo.
E as pessoas morrem nessa série sem dó nem piedade. Vários personagens "grandes" morreram. Só o XIII que é imortal mesmo. De resto, ninguém está a salvo!
Para terminar, é uma série que vale a pena ver. Com legenda de português, só saiu a primeira temperada, de 13 episódios. Mas já tem uma 2º temporada, que acho que já saiu, mas ainda não foi legendada. (confesso que ainda não procurei).

19 de jan de 2013

Série: Teen Wolf

Sabe aquela série/filme que é tão ruim, mas tão ruim que ela se torna até legal? É mais ou menos isso que acontece em Teen Wolf.
Os efeitos são péssimo, a história é bem fraca e lugar comum, a maquiagem que deveria ser assustadora fica engraçada de tão péssima, mas no final tudo isso torna a série bastante divertida.
A história é sobre um adolescente fraco e nada popular da escola, que logo no primeiro episódio é mordido por um lobisomem e acaba se transformando, sem saber bem o que está acontecendo. Tem o melhor amigo, Styles (e melhor personagem da série de longe) que é quem pesquisa e descobre tudo o que está acontecendo.
Além disso, o nosso teen wolf resolve se apaixonar pela nova menina da escola, uma chatinha que só toma decisões erradas, mas enfim... E claro que o romance não pode ser simples, já que a menina é filha de um líder de caçadores de lobisomens, e por direito de sangue, a próxima a guiar a família na caça aos meio homens meio lobos. Claro, ela também é apaixonada por ele - ficam juntos, descobre o que ele é, brigam, os pais tentam separar, eles continuam juntos, a mãe vira lobisomem, se mata - odeio todos os lobisomens do mundo (menos meu namorado querido), vou matar todos - finalmente terminaram no final da 2ª temporada, mas o retardado do protagonista disse que está esperando ela para sempre. Enfim... romances de adolescentes.
Já percebeu que a história protagonista é bem sem graça, mas os coadjuvantes são muito legais e tornam a série merecedora de destaque. Como já disse, adoro o Styles, mas a Lydia também é uma fofa e cheia de mistério. O Derek, coitado, é um mal entendido. Todo mundo briga com ele e fica com raiva, mas no fim, é ele que salva a pátria...
A primeira temporada dessa série é muito "trash", mas a 2ª eles deram uma melhorada e ficou mais interessante. E foi renovada para a 3ª temporada. É esperar para ver o que virá nessa budega ai...
Vale a pena prestar atenção...
Obs. Para as meninas, tem um monte de homem lindo sem camisa e quase pelado nessa série! = )

16 de jan de 2013

Livro: Sorte ou Azar?

Tenho que começar falando que li esse livro em menos de 24 horas. Se isso é uma coisa boa ou ruim, ainda não sei. Só sei que foi assim.
Não deveria lê-lo, porque tenho que ler coisas para a faculdade, mas alguma coisa na capa verde, na menina ruiva de vestido amarelo me chamou a atenção, e no sábado não consegui resistir. Comecei a ler de manhã, de tarde já tinha acabado.
E para ser sincera, esse livro é para ler desse jeito mesmo. Tive que parar a leitura cerca de 4 horas para dirigir, e quando voltei para o mundo da Jinks, já não era mais o mesmo, e por isso fiquei com a impressão de que se fosse para eu ler de pouco em pouco, teria desistido no meio.
Esse livro é da Meg Cabot. Autora já conhecida minha de anos por causa da série "Diários de Princesa" (que eu li até o 4º livro e depois não consegui mais continuar... Que me desculpem os fãs mas eram muito bobos) e desde então nunca tinha lido nada dela. Sempre tive um certo preconceito, apesar de pessoas que confio na opinião já terem me falado que não, que ela sabe escrever uma literatura menos infantil e etc...
A verdade é que esse livro não mudou muito minha opinião sobre ela não, mas é legal e gostoso de ler.

A história é sobre bruxas, que para mim são os seres mais interessantes que existem. Claro, existem aqueles que as transformam em seres esquisitos, abusam da mágica e acabam transformando a ideia em uma coisa ruim. Mas isso não aconteceu nessa história. As bruxinhas estão do jeito que eu gosto, do jeito que já vi milhares de vezes em filmes. E se você não quiser acreditar na bruxaria, tudo bem. Nesse livro tudo pode ser uma grande coincidência. A bruxaria aqui não é levitar objetos, nem transformar água em vinho. Ser bruxa nesse livro é trabalhar com a natureza para um bem maior. Fazer o bem e ajudar as pessoas. Proteger com palavras e saquinhos de ervas. Há quem diga que essa é a verdadeira magia.
Mas falando da história mesmo, se trata de uma menina do interior, com um passado e por causa dele se muda para Nova York para viver na casa dos tios. Tem uma prima da mesma idade, que como filha da cidade grande só faz M... e adoraria ser bruxa de verdade, com direito a espíritos, levitação, quebra de vidro e etc. E claro, vodu. Tem bastante vodu nesse livro.
Mas ai a menina chega, conhece o gatinho que a prima está interessada, o gatinho começa gosta dela e não da prima (e qual o problema da Meg Cabot e sua incapacidade de fazer uma personagem que perceba que o menino quer ela?), a prima fica chateada porque o menino escolhe a ruiva do interior, faz mais M..., e se eu contar mais que isso é spoiler total...

Quando falo assim do livro, percebo o quanto ele é bobo e não é para mim. Mas gosto. Talvez por isso tenha que ler tudo de uma só vez. Assim, não perco tempo analisando o que está acontecendo e simplesmente aproveito a leitura.

Obs. Consegui esse livro trocando no Skoob. Primeira troca que fiz Livro x Livro. Cada vez mais aprendo uma nova forma de usar a rede e gosto mais dela.
Já fez o seu perfil? Então me add lá: http://www.skoob.com.br/perfil/carinavd

12 de jan de 2013

Série: Lost in Austen

Se você é fã de Jane Austen e gosta do livro "Orgulho e Preconceito" não tem como não gostar dessa mini série de 4 capítulos. Se você não conhece nada da história, essa não é uma boa série para começar. Cheia de referências, você não iria entender.
Se você conhece o livro, já viu algum filme e gosta mais ou menos, é um bom passatempo.
Descobri a série através de uma amiga que gosta bastante da história e me fez super elogios. Isso já tem um tempo, mas fiquei com preguiça de procurar para baixar, e um pouco sem tempo e só agora consegui parar para ver.
Na série, temos como protagonista a Amanda, uma londrina dos tempos atuais, que sonha com o mundo fictício de Orgulho e Preconceito. É uma mulher que tipo eu, troca uma noite de balada com os amigos por um tempo em paz para ler o livro e passar um tempo com os personagens.
Só que acontece uma mágica, que através de uma porta (é quase Nárnia a parada), ela acaba trocando de lugar com a Elizabeth Bennet e vai parar no Reino Unido da Jane Auten, bem no começo da história antes da família Bennet conhecer o Mr. Darcy e o Mr. Bingley.
E dai a confusão começa. Como os personagens tem vida, eles aparentemente não sabem o que devem fazer, e acabam fazendo tudo diferente da história, e Amanda, como uma fã devota, fica querendo consertar as coisas e devolvê-las ao original. Para ela é impensável que Mr. Darcy não fique com Elizabeth, mesmo ela não estando a volta para conhecê-lo. Quando Bingley se apaixona por ela, em vez de Jane, seu mundo desaba e ela faz de tudo para que ele preste atenção na moça.
E cheio de trapalhadas, o romance vai se desenvolvendo, colocando Amanda no lugar de Elizabeth, e esta vivendo tudo que a personagem original deveria estar vivendo. De uma forma um pouco diferente, as coisas acabam acontecendo iguais.
E no último episódio, quando ela volta a Londres atual para buscar Lizzie, eis que esta está completamente adaptada ao nosso mundo. Sua resposta a indagação de Amanda: "Sempre fui uma mulher frente de meu tempo."
E Amanda, uma menina dos tempos atuais, é na verdade uma mulher do passado, que quer um romance como o do livro para a sua vida, escolhendo viver no mundo imaginário, ou no passado, do que com o namorado dos tempo de hoje.
E isso é como um resumo das mulheres do nosso tempo. Enquanto no passado elas lutaram para chegar até onde estamos, muitas hoje em dia trocariam tudo por um amor como o de Elizabeth e Darcy. Apesar do romance ter sido revolucionário para a sua época, pensando friamente, Lizzie se casou com um homem rico no final das contas, que cuida dela e da família. O mais rico de todos.
Mas enfim, é uma mini série bem legal, para passar o tempo, e está disponível com legenda no youtube.


9 de jan de 2013

Aleatório: Ilíada

Há algum tempo que estou arrumando meu quarto e minhas coisas e como sempre quando estamos fazendo esse tipo de limpeza achamos coisas antigas, algumas boas outras ruins.
Dessa vez, achei um texto para teatro de Ilíada eu tinha adaptado no Ensino Médio para um trabalho de português. Como tínhamos que apresentar a história para a turma de forma divertida, naquela época era sempre um teatrinho. No caso, como Ilíada é bem complexa, cheia de personagens e talz e nosso grupo era pequeno, minha ideia genial foi escrever a história sendo contada pelos Deuses. Lembro inclusive de usar as minhas fofoletes (uma bonequinha pequena que foi moda quando eu era pequena) para serem os gregos e troianos sendo mortos. Sinceramente, achei o trabalho bem legal e por isso colocarei aqui no blog o texto.
Se alguém quiser usar, re-adaptar, filmar ou qualquer coisa, sinta-se a vontade. Só me avisa! =)

Ilíada de Homero

Entra o Narrador:

NARRADOR - Helena é a mais bela mulher que já vi. Comentam por ai que ela é filha de Zeus. Todos os príncipes desejam casar-se com ela. Por isso o rei Tíndaro, rei de Esparta e pai de Helena exigiu dos príncipes que estes sejam amigos dos príncipes que ela escolher e também que a protegesse se algum malvado a raptasse. Todos esperavam ser escolhidos, e Helena escolheu Menelau, irmão de Agamenon. Eles eram felizes até que apareceu o jovem Páris, um dos dezenove filhos de Príamo, rei de Tróia. Este raptou Helena e ainda levou muito ouro e pedras preciosas. Então Menelau e Agamenon convocaram os príncipes, e a guerra começou.

Sai o Narrador, Entra Apolo

APOLO - É um absurdo, quem esses gregos pensam que são? Assaltaram a cidade de Crises, e cada um se apoderou do bem que quis. Agamenon tomou para si Criseida, filha de um sacerdote meu...

(entra Narrador) - NARRADOR - Este é Apolo, deus do verso, das artes, da música, da eloquência e da medicina. Protetor da cidade de Tróia. Desculpe te interromper, Apolo. pode continuar... (sai de cena)

APOLO - Como eu ia dizendo, Agamenon pegou Criseida. Seu pai, apavorado, me pede que o ajude. Não posso negar esse pedido. Descerei agora mesmo do meu palácio. Irei à Terra e espalharei a morte entre os gregos. (sai de cena furioso, Atena entra)

ATENAS - Lá se foi Apolo ajudar seu sacerdote e para variar ajudar a cidade de Tróia. Eu já avisei desde o começo dessa guerra, os gregos tem razão.


(entra Narrador) - NARRADOR - Esta é Atenas, deusa da sabedoria, da inteligência e da engenhosidade... (sai de cena)

Atenas - (o tempo passa e Atenas parece perder a paciência) O que exatamente Apolo está fazendo? Já se passaram 9 dias, muitos já morreram. Estou vendo aqui de cima... Estão todos reunidos... Parece que Aquiles irá matar o rei Agamenon, não posso permitir, terei que interferir...
(sai de cena correndo - Apolo retorna)

APOLO - Parece que os gregos finalmente tiveram uma lição. O rei Agamenon devolveu Criseida e eu parei de matá-los. Mas parece que entre eles as coisas não estão muito boas... Esses gregos vivem brigando entre si.


Atenas volta a cena
ATENAS - Imagina que Agamenon quis roubar dos outros príncipes o que eles ganhariam na guerra, e falou que tomaria Criseida de volta, afinal esta tinha sido dada a Aquiles como recompensa de guerra. Tive que impedir Aquiles de matar Agamenon e dizer-lhe que este pagará pelo mal que fez.

APOLO - Os meus troianos não brigam assim...

(Tétis entra em cena) TÉTIS - Cadê Zeus? Preciso falar com ele..


(entra Narrador) - NARRADOR - Essa é Tétis, a deusa do mar, esposa dos Oceanos, o pai dos rios. (sai de cena)

(Zeus está sentado em uma cadeira lendo - Tétis ajoelha-se diante dele, põe a mão esquerda em seu joelho)

TÉTIS - Meu Pai, se alguma vez lhe fui útil, conceda-me agora a graça de meu filho Aquiles ter a graça que deseja. Agamenon o humilhou. Faz com que os troianos dominem a guerra por algum tempo, para que os gregos compreendam que não podem ganhar a guerra sem ele.

(Zeus pensa...)
ZEUS -  O que me pedes filha, irritará Hera, minha esposa. Ela me dirá palavras amargas. Já reclama a alegar que favoreço os troianos... (pensa mais um pouco) Parte o mais depressa que puderes, para que Hera não saiba que estivestes aqui. E vou garantir minha promessa. (inclina a cabeça)



(entra Narrador) - NARRADOR - Quando os deus assumem essa posição significa que não podem se arrepender depois da promessa que fizeram. (sai de cena)

Zeus ainda sentado em sua cadeira, entra Hera.

HERA - Quem esteve aqui contigo? Quando não estou perto de ti, procuras esconder tudo o que fazes.


(entra Narrador) - NARRADOR - Este é Hera, mulher de Zeus. (sai de cena)

ZEUS - Vives querendo conhecer meus pensamentos, porém isso é muito difícil. Deves saber que já assuntos que nem minha esposa tem o direito de conhecer.

(Hera começa a ficar irritada) HERA - Não me intrometo em seus negócios. Todavia sei que Tétis esteve contigo e creio que foi bem sucedida. A terra Tremeu; logo o senhor meu marido inclinou a cabeça. Tenho certeza que prometeste que Aquiles será exaltado.

(Zeus responde irritado) Nada há que não descubras. És uma feiticeira. Fica sabendo então que este é meu desejo. Teu deve é, portando, obedecer-me. E nem todos os deuses do Olimpo reunidos, conseguirão salvar-te se eu te levantar minha mão para condena-la.

(Hera fica apavorada e Apolo entra na briga)

APOLO - Seria lamentável que você e o pai dos deuses brigassem. Vamos fazer as pazes e beber um pouco de vinho.

ZEUS - Tenho muito a pensar e não quero beber vinho agora... Mas vocês podem ir. 
(Zeus fica andando e pensando até que tem uma ideia) Hermes, Hermes!!! (ele chama)

(Hermes entra correndo)

HERMES - O que há Zeus? Alguma mensagem?

ZEUS - Preciso que desça e converse com Agamenon. Diga-lhe que, se ele conduzir o próprio exército ao combate, vencerá a cidade de Tróia. Farei com que ele acredite nisso, assim poderei cumprir minha promessa a Tétis.

HERMES - Sim senhor... (e sai correndo)

No dia seguinte...

Apolo, Atenas e Hera discutindo

HERA -  A guerra irá começar... Qual surpresa Zeus, meu marido, nos preparou? Não gostei de saber que Tétis esteve aqui...

ATENAS - Pelo menos Aquiles é grego, assim ele deve ajudar os gregos...

HERA - Esqueceste que Aquiles está fora da guerra?

APOLO - Espero que Zeus ajude os troianos...

ATENAS - Observem, todo o exército de Agamenon se dirige para a guerra. 

APOLO - Enquanto isso os troianos preparam a defesa. Páris irá desafiar os gregos, para tentar manter a paz...

HERA - Seu querido troiano está fugindo do combate... parece que tem medo...

APOLO - Porém Heitor, o melhor e mais valente dos troianos, irmão de Páris, está se intrometendo. Te garanto que ele vence seus queridos gregos.

HERA - O que Heitor está fazendo?

APOLO - Está propondo um duelo entre Páris e Menelau. O vencedor leva Helena e as riquezas que lhe pertencem.

ATENAS - Pelo que parece, mandaram buscar Príamo e o carneiro de sacrifício a nós.

APOLO - Feita a cerimônia, a batalha está começando.

HERA - Menelau está arrastando Páris até o exército grego. A correia e o capacete estão sufocando o príncipe.

ATENAS - O que Afrodite está fazendo lá? Essa é uma batalha humana, não divina!

APOLO - Ela está salvando Páris, o cobrindo e levando de volta.

HERA - Esses troianos não honram seus compromissos! Agora tenho certeza que não devolveram Helena!

(Os deuses saem de cena, narrador entra)

NARRADOR - A verdadeira batalha irá começar agora! Só Zeus sabe o que poderá acontecer. Todas as divindades começam a guerrear junto com os humanos. Apolo ajuda Heitor a dizimar milhares de gregos com sua espada. Por outro lado, Hera e Atenas fortalecem os chefes gregos, principalmente Diomedes que se torna um verdadeiro herói. Mas ainda assim, os troianos continuam levando vantagem!

Zeus entra irritado - 
ZEUS - Todos os deuses aqui? Nenhum de vós ajudará os gregos ou os troianos!  Se alguém Deus ou Deusa me desobedecer eu o lançarei as trevas inferiores. Ali aprenderá que eu sou o senhor do céu. Porventura haverá alguém aqui que pense poder me desafiar?

(todos os deuses com medo e silenciosos)

ATENAS - Pai, todos nós sabemos que ninguém pode te enfrentar. Contudo, tememos a destruição dos gregos. Se não podemos ajuda-los, permite apenas que nós os aconselhamos.

(Zeus consente e dispensa todos, senta em sua cadeira e pega a balança da morte)

HERMES - Senhor, tem certeza do que estás fazendo?

ZEUS - Acalme-se meu amigo, estou apenas cumprindo minha promessa a Tétis.


HERMES - E tens conseguido, meu senhor. Agamenon já enviou uma embaixada a Aquiles implorando que volte a batalha.

ZEUS - Estou ciente do que está acontecendo, mas não será dessa vez que Aquiles voltará. Sua jactância consegue ser maior que a minha.

Narrador - Entra explicando e em seguida sai de cena

ZEUS - Agora que já me deu as notícias, que eu já sabia, vá dar uma volta que eu devo me concentrar na guerra... afinal essa guerra é como um jogo de xadrez, tenho que ter muito cuidado, pois um movimento errado e esses humanos fazem o que não deve, os deuses se intrometem...

HERMES - Ainda tenho alguns recados a dar... Continuarei o meu trabalho... com licença senhor...
(sai de cena)

Hera entra em cena

HERA - Será que poderia me explicar o que está acontecendo?

ZEUS - Nada de seu interesse... Apenas Heitor deu um passo errado.. Mandou um espião fraco e sem coragem...

HERA - Pelo que vejo, este acaba de ser morto (dá uma risada) e pelos espiões gregos... quando eu faço que a Grécia é a melhor...

Tétis entra...

TÉTIS - Pai, o que estás fazendo? Todos os gregos estão com medo do que está para acontecer... estão com medo que os troianos ponham fogo em seus navios...

ZEUS - Tu me pediste para fazer isso... e como eu já disse, sei o que estou fazendo.

HERA - Observem... os gregos estão levando vantagem na guerra..

ZEUS - Quem fez isto? Hera?

HERA - Não fui eu... não vês que isso é obra de Poseidon, pai dessa infeliz? (aponta para Tétis)

TÉTIS - Não fale assim de papai... 
(vão para um canto ainda discutindo em voz baixa)

ZEUS - Hermes!! (este entra) Vá até Poseidon e mande que ele fique longe dessa guerra! Ele é o senhor dos mares, e eu o senhor do céu e da terra. Tudo o que acontece com os humanos me pertence. E vocês duas, vão discutir em outro canto que tenho muito a pensar aqui.

(Hermes sai para levar o recado, as duas saem irritadas)
Atenas entra

ATENAS - Zeus, o que está acontecendo? O que Pátroclo está fazendo? Está colocando a armadura de Aquiles...

ZEUS - Ele irá comandar o exército de Aquiles. O destino dele já está traçado.


ATENAS - OH... Plutão, o deus dos mortos, o levará?

ZEUS - Sim... um pequeno preço a pagar...

(todos os deuses entram curiosos para saber o que está acontecendo)

APOLO - Alguém pode me informar o que está acontecendo? Aquiles voltou para a batalha?

TÉTIS - Sim... após a morte de Pátroclo, Aquiles, meu adorado filho, ficou triste e resolveu que quer vingança contra os troianos.

HERMES - Silêncio, a batalha entre Aquiles e Heitor vai começar..

ZEUS - Coitado do Heitor, sempre foi um bom fiel, fez sacrifícios a mim...

HERA - Nem pense em deixá-lo vivo. O destino dele já está definido.

ZEUS - Eu sei, eu sei... Nem eu posso mudar o destino...

APOLO  - Heito morreu! E Aquiles está levando seu corpo. Isso não é justo. Ele merece um funeral digno. Plutão o aguarda.

ZEUS - Concordo contigo Apolo. Tétis, vá até seu filho e ordene-o que devolva o corpo de Heitor a Príamo.

TÉTIS - Se essa é a sua vontade, Aquiles não se oporá. (sai de cena)

ZEUS - Agora que vocês já viram a grande batalha dessa guerra, saiam que preciso de pensar o que vou fazer, afinal essa guerra tem que acabar...

(todos saem e Zeus fica andando de um lado para o outro pensando)

NARRADOR - Desculpe te interromper senhor, rei dos Deuses, mas eu tenho que comentar... Nunca vi na Terra um cavalo tão bonito quanto o de Aquiles...

ZEUS - Cavalo... Isso! Grande ideia! Já sei como essa guerra vai acabar... Hermes!!! Convoque todos os Deuses... quero que todos vejam o grande final que pensei para  essa guerra.

Todos os deuses entram - Tétis chora.

APOLO  - Tétis, porque estas chorando?

TÉTIS - Meu Aquiles morreu. Também, foi se apaixonar por uma filha de Príamo, mudou de lado e o idiota do Páris resolveu se vingar de Aquiles no dia do casamento. Deu uma flechada em seu calcanhar e meu querido filho morreu..

(todo mundo congela - narrador entra)

NARRADOR - A origem da expressão calcanhar de Aquiles, muito usada até os dias de hoje para designar um ponto fraco de uma pessoa, surgiu dessa passagem da guerra.

(narrador sai e tudo volta ao normal)

HERA - Qual será o grande final para essa guerra que já dura mais de 10 anos? Espero que os gregos vençam!

ZEUS - De fato minha querida. Os gregos vencerão. Preste atenção que veras a ideia que tive...

ATENAS - Mas veja... os gregos estão construindo uma espécie de cavalo de madeira gigante... Para que isso? Ainda não entendi sua ideia...

APOLO - Acho que entendi...

ZEUS - Sim Apolo, os gregos entrarão nesse cavalo, invadirão a cidade de Tróia, pois os troianos receberão o cavalo como um presente, um pedido de paz.

HERMES - Que ideia fantástica!

Narrador entra -

NARRADOR - E assim acabou a guerra. Uma história contada há muito tempo, conhecida por todos e escrita por Homero. Um escritor que ninguém sabe se realmente existiu, muito menos a época em que viveu. Espero que tenham gostado.

5 de jan de 2013

Livro: Perfeitos

Depois de tanto tempo presa em Herança, ler um livro como Perfeitos foi bem perfeito. Não que essa continuação de Feios seja o melhor livro do mundo, não é. Mas assim como o primeiro, é um livro gostoso e rápido de ler. É quase relaxante e por mais que o tema proposta queira te fazer pensar na nossa sociedade, a verdade é que esse segundo livro é como uma passagem. Não levanta questões importantes nem nada do gênero. Tudo que seria para ser refletido foi dito no primeiro livro e meramente repetido nesse.
Um ponto muito positivo, dessa vez o gancho pro próximo livro foi muito bem feito, e estou me remoendo aqui querendo comprar e ler o próximo. Talvez até pelo fato desse livro ser uma passagem, nos apresentando personagens e situações que merecem uma olhada com mais calma e deixando a pensar que no próximo voltaremos aos tópicos.
Quanto a narrativa do livro, temos agora Tally como uma perfeita. No final de Feios ela voltou para a cidade, com o objetivo de sofrer a operação, se transformar em perfeita e testar a cura para as "lesões no cérebro" feitas pelo governo para manter a população calma.
Agora como perfeita a questão é lembrar o objetivo de tomar a cura. Descobrimos que a operação e as lesões servem também para acabar com a memória pré-operação da população.
E ai como todo o livro juvenil, tem que ter 2 gatinhos. E surge o Zane - o que eu não curti. Pois o Peris já nos havido sido apresentado como melhor amigo e tudo no primeiro livro, e nesse ele continua de coadjuvante, servindo apenas para nos mostrar que existem pessoas conformistas, e que preferem viver da forma já estabelecida, e estão felizes desse jeito.
Enfim, o Zane é um perfeito que não quer ter cérebro de perfeito. E ele percebeu que quando as pessoas ficam agitadas - adrenalina é liberada - a memória pré-operação tende a voltar um pouco. Quanto maior a excitação, maior o tempo e a memória que as pessoas conseguem acessar.
Claro, ele deseja a cura. Ele deseja a memória de volta. E isso acaba levando ele para perto da Tally. Que sem a memória do fofo do David, acaba namorando o Zane.
E o reencontro mais esperado entre David e Tally foi tão rápido, com uma discussão de relacionamento em tão poucas linhas que senti muita falta. Ela escolheu o Zane muito rápido e ainda chamou o David de feio. Coitado. Nenhum personagem merecia sofrer desse jeito.
Mas coitada mesmo é da Shay. Que depois de perder o David para a Tally ainda perdeu o Zane para a mesma "amiga". A cada livro ela perde um possível namorado para a protagonista. Pelo menos nesse livro ela se tocou e resolveu se defender. Muito bom pra você Shay!
Tudo bem que o Zane não era exatamente o namorado dela, mas tinha potencial se não fosse pela Tally.
E nesse mundo perfeito que percebemos porque a protagonista é a protagonista. Finalmente acontece algo com ela que a diferencia de uma garota normal de 16 anos. Claro, ela tinha conseguido passar pela floresta e talz sozinha, chegar na fumaça e etc... mas só agora, quando as lesões não afetam completamente sua memória, que percebemos que ela é, de fato, especial.
Como já disse, é um livro de passagem. Se você não leu o primeiro, não achará graça. Se leu, vai querer o próximo para ontem.

obs. Ter aula com o Paulo Vaz, por mais que eu adore, estragou o livro pra mim. Não consigo mais lê-lo sem analisá-lo dessa forma - o que acaba tornando o livro extremamente lugar-comum.